Lean Manufacturing: tudo o que você precisa saber sobre

O mundo está em constante mudança, principalmente devido às novas tecnologias e ao surgimento de questões referentes à preservação da natureza e da ecologia. Com isso, as empresas também são obrigadas a modificar a forma como atuam se quiserem se manter competitivas no mercado.

Não há mais espaço para desperdícios e custos desnecessários. Além disso, o monitoramento de processos para garantir sua eficiência e eficácia também ganha espaço em negócios dos mais diversos setores. É aí que o Lean Manufacturing entra como um conceito central para que as empresas consigam sobreviver em um mercado cada vez mais competitivo.

Quer saber tudo sobre o Lean Manufacturing? Então, continue a leitura e descubra agora mesmo!

O que é o Lean Manufacturing?

Antes de entender o conceito de Lean Manufacturing, é importante que você conheça o contexto de surgimento dessa metodologia e quais são os outros conceitos relacionados a ela. Para isso, vamos voltar alguns anos na história das grandes indústrias mundiais.

Por muitos anos, o modelo de produção fordista, criado por Henry Ford, foi extremamente eficiente e vantajoso para as empresas. Ele visava a produção em massa, com produtos duráveis e iguais entre si, levando também à criação de grandes estoques. Essa realidade prevaleceu até a década de 70.

Porém, com a crise do capitalismo e as mudanças no padrão de consumo da sociedade, os produtos padronizados e os grandes estoques deixaram de ser viáveis. Foi assim que surgiu o toyotismo, modelo de produção criado no Japão por Eiji Toyoda.

Esse modelo propõe uma produção enxuta, de acordo com a demanda dos consumidores, e individualizada, permitindo a personalização dos produtos.

Os trabalhadores não atuam mais nas famosas linhas de montagem da Ford, nas quais cada um era responsável por uma pequena parte do processo, mas sim em grupos de trabalho nos quais as funções podem variar de acordo com o produto ou projeto que está sendo desenvolvido. O estoque chega perto de zero e o desperdício é reduzido ao mínimo.

Essa história é importante para que você entenda o conceito de Lean Manufacturing, uma vez que ele é totalmente derivado do toyotismo. Esse conceito se refere à criação de uma empresa enxuta, alinhada à Indústria 4.0, que elimine todo tipo de desperdício na produção e maximize o valor gerado pelos produtos.

Ou seja, Lean Manufacturing significa fazer mais com menos. Isso é possível pela utilização de processos mais eficientes, trabalhadores mais produtivos e uma linha de produção enxuta, com a utilização do mínimo de recursos sem perder na qualidade do produto.

O grande objetivo dessa metodologia é a redução de todos os desperdícios de uma empresa. O Lean Manufacturing identifica quais são as principais fontes de desperdício e, assim, atua em cada uma dessas frentes para reduzi-lo ao máximo. Além disso, ela ainda possui como objetivos secundários a agilização da produção, a redução de custos e o aumento da capacidade produtiva.

Quais são os princípios do Lean Manufacturing?

Agora que você já sabe como surgiu e o que é o Lean Manufacturing, é hora de entender quais são os fundamentos que regem essa metodologia. Descubra agora os cinco princípios desse conceito e o significado de cada um deles.

Valor

O primeiro princípio do Lean Manufacturing está relacionado ao valor de um produto. Aqui é preciso lembrar que valor não é apenas o preço de venda de uma mercadoria ou serviço, mas sim o valor que será entregue ao cliente, os problemas que serão solucionados, ou seja, o valor agregado.

Nessa visão, quem determina o valor de um produto é o cliente. Isso significa que todos os processos dentro de uma empresa devem estar direta ou indiretamente ligados à geração de valor para o cliente, de forma a justificar o preço que o cliente paga para adquirir o produto.

Dessa forma, todos os recursos e processos que não agreguem valor para o cliente, ou seja, que não auxiliem o consumidor a solucionar os seus problemas, devem ser eliminados.

Fluxo de valor

Além de gerar valor para o cliente, é importante, no Lean Manufacturing, entender como os seus processos e recursos fazem isso.

Dessa forma, o fluxo de valor é a sequência de atividades necessárias para a criação do valor do produto ou serviço. Funciona como um mapeamento de processos no qual o valor gerado em cada uma das etapas deve estar evidente, comprovando que aquele processo ou recurso utilizado efetivamente agrega valor ao produto final.

Fluxo contínuo

O terceiro princípio do Lean Manufacturing é o fluxo contínuo. Ele se refere à realização dos processos sem interrupções dentro da empresa, de forma a agilizar a produção e evitar retrabalho ou o vai e volta de atividades.

Para entender melhor, pense em uma empresa burocrática, em que cada processo precisa passar por uma série de áreas ou colaboradores para ser concluído. Mesmo que um membro do time de RH seja capaz de realizar uma correção na folha de pagamento do funcionário, a burocracia da empresa o obriga a enviar uma solicitação para o setor financeiro e, apenas após o retorno desse setor, pode efetuar o pagamento do colaborador. Dessa forma, um processo que poderia levar horas pode durar 1 ou 2 dias inteiros.

Já no fluxo contínuo, isso não acontece. Os processos são desenhados para evitar ao máximo o retrabalho ou o prolongamento da duração das atividades. Além disso, devido à produção flexível, as responsabilidades de um determinado colaborador podem passar para outro que seja competente o suficiente para resolver os problemas com qualidade.

Produção puxada

Você se lembra do fordismo, no qual a produção em massa formava grandes estoques que eram posteriormente vendidos para os consumidores? Esse foi um dos grandes problemas desse modelo, uma vez que, diante de uma crise, os estoques não tinham saída e a empresa acabava com custos muito maiores do que a receita.

O Lean Manufacturing vem solucionar esse problema com o conceito de produção puxada, um dos seus princípios. Segundo ele, em vez de investir na fabricação de produtos para criar estoques, as empresas devem investir na produção apenas quando há demanda de fato.

É o que acontece nas montadoras da atualidade, que seguem esse modelo em sua produção. Em vez de fabricar uma grande quantidade de veículos, esperam que um cliente efetivamente adquira o carro para então montá-lo.

Essa é a produção puxada, uma vez que ela só acontece após a demanda real, a venda da mercadoria. Ou seja, é puxada pelo cliente, pela venda.

Perfeição

O último princípio do Lean Manufacturing é a perfeição, também chamada de melhoria contínua. Isso evidencia o fato de que o enxugamento da produção e a redução da utilização dos recursos não significam perda de qualidade, pelo contrário.

Dessa forma, mesmo com a redução dos recursos a serem utilizados, os produtos devem sempre buscar a perfeição. Além disso, diagnósticos e análises de falhas precisam ser feitos com frequência, de forma a identificar possíveis problemas e criar planos de ação para solucioná-los, colocando a empresa em um ciclo de melhoria contínua.

Quais são as fontes de desperdícios solucionadas pelo Lean Manufacturing?

Como você já sabe, o Lean Manufacturing tem como objetivo principal a redução do desperdício. Nesse aspecto, é essencial que você entenda quais são as oito fontes de desperdício identificadas pelo Lean Manufacturing – as quais ele pretende solucionar com as suas propostas.

Descubra agora quais são elas.

Transporte

O transporte de mercadorias, pessoas, matéria-prima e outros recursos é necessário para que o produto seja finalizado e chegue até o cliente final. Porém, essa movimentação não agrega valor à mercadoria, sendo uma fonte de desperdício caso seja feita de forma inadequada.

Portanto, segundo o Lean Manufacturing, é essencial que todo o transporte da sua empresa seja planejado de forma estratégica, visando a redução de custos e, inclusive, de movimentos desnecessários. Dessa forma, você é capaz de reduzir ao máximo o desperdício no que se refere ao transporte de recursos, sejam eles humanos, sejam materiais.

Movimentação

Apesar de o transporte incluir o planejamento do deslocamento dos recursos humanos da empresa, surgiu a necessidade de criar um tópico específico para abordar essa outra fonte de desperdício: a movimentação de colaboradores. Isso inclui até mesmo a movimentação de pessoas dentro da empresa, de uma sala para outra.

Para entender melhor, imagine que um dos gestores proponha uma reunião de uma hora de duração para informar uma mudança no departamento para a equipe. Esses colaboradores estavam em suas mesas, trabalhando em atividades estratégias que geram valor para o cliente final, mas foram interrompidos para receber uma informação que, na verdade, poderia ser passada por e-mail.

Isso reduz a produtividade do time, gera desgaste emocional para os colaboradores e os faz perder cerca de 1h30 a 2 horas de trabalho, mesmo que a reunião dure apenas 60 minutos.

Dessa forma, reduzir esse tipo de movimentação também é importante para evitar o desperdício da produtividade e do foco do seu time em movimentações desnecessárias dentro da empresa.

Estoque

Uma fonte de desperdício bastante conhecida entre os empreendedores é o estoque. Afinal, ele exige que você invista em um espaço para armazenamento de mercadorias, assim como em infraestrutura, além dos gastos com a gestão desses produtos.

É importante lembrar que o estoque pode ser tanto do produto final quanto da matéria-prima, sendo que os dois são uma fonte de desperdício para a empresa.

Dessa forma, um controle eficiente de estoque é essencial. A produção puxada é uma aliada, mas ainda é necessário investir em outras metodologias, como a previsão da demanda. É preciso também contar com uma gestão eficiente de matérias-primas e fornecedores para garantir que o seu estoque será o mais enxuto possível e, ao mesmo tempo, que não haverá falta de produtos para os clientes ou insumos para a produção.

Ociosidade

Outra grande fonte de desperdício é a ociosidade, que é prejudicial quando se fala tanto do maquinário e da matéria-prima quanto de recursos humanos.

Quando você investe recursos financeiros na compra e manutenção de uma máquina e ela fica parada, não está gerando retorno para esse investimento, o que é sinônimo de perda de recursos. A matéria-prima parada também gera custos, uma vez que ocupa espaço e onera a produção do seu negócio.

Com os recursos humanos, ou seja, seus colaboradores, acontece algo parecido. A ociosidade do time gera custos porque ele está recebendo, mas não está gerando resultados.

Para combater esse desperdício, o enxugamento da produção chega, novamente, como um grande aliado. É necessário planejar a compra de equipamentos e matéria-prima de acordo com a produção, garantindo que todos os recursos serão utilizados o mais rápido possível. No caso das máquinas, pode ser até mais interessante alugar ou terceirizar determinada parte da produção para evitar a ociosidade.

No caso dos colaboradores, contar com um time enxuto de efetivos é uma boa solução. A contratação de trabalhadores temporários ou consultores em momentos de maior demanda pode ser estratégica.

Produção em excesso

Como você já percebeu, a produção de mais mercadorias do que o mercado é capaz de consumir pode criar grandes estoques – que são, nitidamente, uma fonte de desperdício. Porém, os problemas da produção excessiva não param por aí.

Quando você produz uma grande quantidade de mercadorias de uma só vez, corre o risco de não ter vazão para elas, fazendo com que esses produtos se tornem obsoletos e nunca mais saiam do seu estoque. Além disso, esse tipo de produção provoca mais erros e defeitos, o que gera desperdício, já que é necessário descartar a mercadoria com problemas.

Dessa forma, a produção deve ser muito bem controlada e, novamente, funcionar de acordo com a demanda. Assim, é possível evitar esse tipo de desperdício dentro da sua empresa.

Defeitos

Como já mencionamos, os produtos defeituosos são uma fonte de desperdício. Porém, vamos nos aprofundar nessa questão para entender melhor como isso funciona.

Quando você gera um produto com defeito e não é possível solucionar o problema, ele precisa ser descartado. Isso, nitidamente, faz com que você desperdice a matéria-prima e o tempo investido na produção dessa mercadoria.

Porém, mesmo quando é possível resolver o problema, o defeito ainda gera desperdício, porque é preciso que os colaboradores invistam mais tempo nesse produto. Isso ocupa horas preciosas que poderiam ter sido investidas em atividades mais estratégicas para o negócio.

Dessa forma, a busca pela qualidade e melhoria contínua é essencial para que os defeitos sejam reduzidos ao mínimo possível, a fim de evitar esse tipo de desperdício na sua empresa.

Processos em excesso

Uma fonte de desperdício que é ignorada por muitos empreendedores é o processamento excessivo. Muitas empresas investem em uma grande quantidade de processos que não são necessários para a criação dos seus produtos ou funcionamento da empresa e não agregam valor ao cliente. Ou seja, processos desnecessários.

Porém, nem sempre é fácil identificar esse tipo de problema, e é por isso que essa fonte de desperdício pode, muitas vezes, ficar aberta, gerando mais custos para o seu negócio.

Mapear processos e eliminar tudo aquilo que não gera valor para o cliente é uma das formas de fazer isso. Também é necessário padronizar os processos baseando-se na melhoria contínua da qualidade e eficiência de cada um deles.

Conhecimento

Embora pareça estranho, o conhecimento pode ser uma fonte de desperdício segundo a Lean Manufacturing. O problema aqui não é um colaborador saber muito sobre determinado assunto, por exemplo, mas sim o desperdício de habilidades do time que poderiam agregar valor ao seu negócio.

Assim, é essencial entender quais são as principais competências de cada um dos seus funcionários, de forma a identificar como eles podem ajudar a sua empresa a se desenvolver e gerar mais valor com o mínimo de recursos. Utilizar os conhecimentos de cada talento do time é essencial para evitar o desperdício de habilidades e competências.

Quais são os benefícios do Lean Manufacturing?

O Lean Manufacturing pode trazer uma série de benefícios para o seu negócio. Descubra agora quais são os principais!

Redução de custos

Por ter como principal objetivo a eliminação dos desperdícios da sua empresa e, consequentemente, o enxugamento da produção, um dos principais benefícios do Lean Manufacturing é a redução dos custos do negócio. Ou seja, você é capaz de utilizar menos recursos, financeiros, materiais ou humanos, para gerar os mesmos (ou até mesmo melhores) resultados.

Melhor aproveitamento dos recursos

Você possui uma série de recursos na sua empresa, mas já parou para pensar se eles são utilizados da melhor forma possível? O Lean Manufacturing permite essa reflexão, levando você a utilizar os recursos, tanto os já existentes quanto os que serão adquiridos no futuro, para entregar valor para o cliente, potencializando os resultados do negócio.

Qualidade do produto final

Um dos princípios do Lean Manufacturing é a perfeição, o que significa que a qualidade das mercadorias é muito valorizada nessa metodologia.

Dessa forma, ao implementá-la, você consegue melhorar a qualidade dos produtos ou serviços oferecidos ao cliente. Além disso, você percebe que com a necessidade de melhorias contínuas a qualidade das suas mercadorias pode crescer a cada dia, fazendo com que você se destaque no mercado.

Aumento da satisfação do cliente

Com produtos de qualidade e que entregam mais valor, o cliente fica mais satisfeito com a sua empresa. Dessa forma, o Lean Manufacturing também afeta a imagem que os consumidores têm do seu negócio, que passa a ser positiva em relação à concorrência.

A consequência é o aumento da atração e retenção de clientes e, inclusive, da lucratividade do negócio como um todo.

Criação de um diferencial competitivo

Por fim, o Lean Manufacturing coloca o seu negócio à frente da concorrência, criando um diferencial competitivo para a sua empresa. Afinal, você fica conectado com as necessidades dos seus clientes, entregando-lhes um valor maior. Além disso, sua produção ganha qualidade, permitindo que o negócio gere mais com menos recursos.

Como colocar o Lean Manufacturing em prática?

Agora você já sabe o que é e quais são os benefícios do Lean Manufacturing para a sua empresa, não é mesmo? Então, é hora de entender como colocar esse conceito em prática no seu negócio. Descubra nossas dicas de ouro!

Mapeie e revise os processos

O primeiro passo para implementar o Lean Manufacturing é mapear todos os processos da sua empresa. A partir disso, identifique quais são os que efetivamente geram valor para o cliente ou que são essenciais para o seu produto. Eles devem ser mantidos e, inclusive, melhorados, de forma a garantir a qualidade total.

Todos os outros devem ser eliminados, a fim de enxugar ao máximo a produção na sua empresa.

Utilize metodologias adequadas

A metodologia Lean Manufacturing faz parte de um conjunto maior de metodologias consideradas ágeis. Dessa forma, é importante conhecer esse leque de oportunidades para identificar quais são as mais adequadas à sua empresa e implementá-las.

O Kanban para controle de estoque e processos, o 5S para a garantia da qualidade e o Scrum para gestão do time podem ser ótimos aliados.

Capacite a equipe

Sua equipe precisa estar capacitada para atender a essa nova forma de produção e funcionamento da empresa. Afinal, toda a cultura da organização precisa estar alinhada a essa nova filosofia.

Dessa forma, permita que os colaboradores sejam parte da mudança e capacite os membros da sua equipe para a implementação da nova metodologia. Lembre-se de não desperdiçar o conhecimento dos seus talentos e reorganize o seu time de forma a aproveitar o que cada um tem de melhor!

Utilize o Just in Time

O Just in Time é uma das bases do Lean Manufacturing, sendo essencial implementá-lo para que a nova metodologia funcione dentro da sua empresa. Ele se refere à produção puxada de forma mais radical, o que significa que a compra de matéria-prima, o transporte de produtos e a produção de mercadorias só devem ser iniciados na hora que a demanda se concretiza.

Portanto, estude o Just in Time e descubra qual é a melhor forma de implementá-lo dentro do seu negócio, a fim de enxugar a produção e colocá-la a favor da demanda dos clientes.

Neste artigo, você descobriu tudo sobre o Lean Manufacturing, desde a história do seu surgimento até as melhores estratégias para colocá-lo em prática. Também percebeu que essa metodologia está totalmente conectada às necessidades da sociedade atual e, dessa forma, é capaz de gerar uma série de benefícios para o seu negócio.

Então, comece agora mesmo a colocar as nossas dicas em prática e adote o Lean Manufacturing no seu negócio! Para isso, a terceirização pode ser necessária. Portanto, aproveite para baixar agora mesmo o nosso e-book sobre o assunto e complemente os seus estudos!

Compartilhe: