Limpeza hospitalar: entenda por que ela é imprescindível!

A limpeza hospitalar, assim como nos demais segmentos de condomínios, shoppings e indústrias, tem papel ainda mais fundamental em épocas de contaminação e pandemia, como estamos enfrentando no momento.

“A limpeza nos tempos de COVID-19 é essencial em qualquer área, mas principalmente naquelas de alto contato. Temos que reforçar a higiene desses espaços com produtos que inativam o Coronavírus”, comenta Maria Helena Peraccini, que é Gerente Técnica da área da Saúde no Grupo Verzani.

Para entender a importância dos processos de higienização hospitalar e quais cuidados uma empresa deve ter ao contratar serviços terceirizados, convidamos Maria Helena que vai dar mais detalhes durante todo o artigo. Acompanhe!

O papel essencial da limpeza hospitalar

A limpeza hospitalar remove a sujidade dos diversos ambientes e reduz o número de microorganismos existentes, preservando a população do local, sejam pacientes ou funcionários. “Um desses procedimentos mais importantes e que temos reforçado com a nossa equipe é aumentar o número de vezes em que as áreas de alto contato são limpas”, relata Maria Helena. Nesse caso, tratam-se de:

  • maçanetas;
  • interruptores de luz;
  • corrimãos;
  • grades de apoio;
  • botões de elevador internos e externos;
  • torneiras; 
  • porta-papel higiênico, 
  • saboneteiras, 
  • papeleiras, 
  • bancadas.

“Essas áreas existem não só em hospitais, mas podem estar em qualquer empresa que tenha um grande fluxo de pessoas”, explica a diretora. Por isso, a higienização é reforçada diversas vezes ao dia. “O Coronavírus é relativamente fácil de ser inativado, desde que sejam usados os produtos indicados e, em alguns casos, diluídos para que não estrague uma superfície específica”, completa.

Os tipos de limpeza hospitalar 

A higienização de hospitais conta com detalhes próprios e começa a partir de uma observação minuciosa. “Toda vez que alguém for higienizar uma área, é preciso observar se existe matéria orgânica naquele local, independentemente do ambiente. Isso se chama descontaminação, que é a primeira etapa”, explica a diretora. A limpeza também é feita de acordo com a criticidade dos ambientes:

  • locais não críticos: são aqueles não ocupados por pacientes e nos quais não é realizado nenhum procedimento de assistência. Por exemplo, recepção, salas de espera, áreas comuns e administrativas;
  • locais semicríticos: quando o potencial de transmissão quase inexiste. São áreas ocupadas por pacientes, como quarto, leito, sala de inalação, etc;
  • locais críticos: são as áreas com muito potencial de transmitir infecções para as pessoas, tanto funcionários, médicos e enfermeiros. “Podem ser centros cirúrgicos ou mesmo as lavanderias, quando o enxoval sujo é depositado”, diz Maria Helena.

Quanto aos tipos de limpeza, eles abordam a manutenção dos espaços, a descontaminação e a higienização diária. Sempre começando com a observação e são divididos de três maneiras.

1. Limpeza concorrente

A limpeza concorrente é feita todo dia nas diversas áreas de um hospital. “Trata-se da higienização diária para manutenção dos diversos ambientes de uma instituição de saúde”, explica a diretora do Grupo Verzani. Faz parte da limpeza concorrente o cuidado com as áreas de alto contato, que falamos anteriormente.

2. Limpeza terminal 

Ela é realizada de tempos em tempos para garantir a limpeza e conservação de acordo com a criticidade da área. É mais profunda e abrange toda a parte de teto, parede, piso e mobiliário. A limpeza terminal acontece todas as vezes em que ocorre a alta de um paciente ou quando ele sai do quarto.

“Também existe a terminal programada, que é realizada em outras áreas de acordo com a sua criticidade. Por exemplo, no centro cirúrgico, a cada sete dias. Em áreas semicríticas, a cada 15 dias e em uma área não crítica, a cada 30 dias”, comenta Maria Helena.

3. Limpeza imediata

“Significa a descontaminação, ou seja, é a limpeza realizada imediatamente após o derramamento de alguma secreção corpórea. Se o paciente chegou passando mal ou sangrando na porta do hospital, isso requer uma limpeza imediata dessa área para que as próximas etapas aconteçam”, relata Maria Helena Peraccini.

Os cuidados com produtos e como evitar erros na limpeza

Ao buscar a terceirização para a limpeza hospitalar, é sempre importante contar com uma empresa prestadora de serviços que tenha experiência e know-how técnico para garantir que não exista nenhum tipo de falha.

“Esses erros, na verdade, são sempre cometidos por falhas humanas. Por isso a importância de uma equipe treinada e orientada que vá observar a presença de matéria orgânica no ambiente hospitalar e ter a técnica correta — ou seja, limpar sempre de cima para baixo, do mais limpo para o mais sujo e do fundo para a porta”, como relata Maria Helena.

Há ainda mais dois pontos que garantem o sucesso da limpeza hospitalar: o uso correto dos equipamentos de proteção individual (EPIs) e as concentrações acertadas de cada produto utilizado. “É importantíssimo que os produtos sejam registrados na Anvisa”, salienta a diretora.

Como a limpeza hospitalar se encaixa em enfermarias e ambulatórios de empresas

Se ambientes como enfermarias e ambulatórios de empresa receberem colaboradores infectados e com derramamento de algum tipo de matéria orgânica, a limpeza merece toda a atenção de um ambiente hospitalar considerado crítico. 

“Nesses casos, é necessário um processo de descontaminação igual existe no hospital. Já a limpeza do dia a dia deve ser considerada não crítica em um primeiro momento, quando não há grandes riscos”, aponta Maria Helena.

Os diferenciais do Grupo Verzani & Sandrini

Além de ter mais de 52 anos de tradição no mercado, os serviços da Verzani & Sandrini se diferenciam pelo treinamento constante da equipe e toda a preocupação técnica, que é reforçada em tempos como este, de pandemia.

Maria Helena ressalta: “todos os dias, publicamos um boletim sobre como se cuidar e informações até para tranquilizar as pessoas. Também elaboramos um material técnico para que os colaboradores saibam usar um EPI e quais produtos devem ser utilizados. Não importa se é um shopping, condomínio, hospital… A limpeza é um problema nosso e estamos vivendo isso de forma presente e intensa”.

O Grupo Verzani & Sandrini também é responsável pela disposição de descartáveis e sabonetes em todos os banheiros das empresas contratantes. “Higienizar, repor descartáveis e recolher resíduos são as partes mais importantes para o controle do Coronavírus. Isso está nas nossas mãos e fazemos com toda a técnica”, diz.

Sem contar que os profissionais que atuam na área da saúde são treinados de acordo com todos os preceitos da NR 32, para a garantia de todos os envolvidos.

A limpeza hospitalar, que já é um processo essencial, torna-se ainda mais vital em épocas como a que estamos vivendo. Contar com uma equipe preparada e bem-treinada faz toda a diferença para que os ambientes estejam descontaminados.

O Grupo Verzani & Sandrini é uma opção de confiança para a limpeza hospitalar. Entre em contato conosco para mais informações!

Compartilhe: