O que é linha viva? Confira sua importância para trabalhos com eletricidade

Trabalhar com eletricidade traz riscos à segurança e à integridade física dos profissionais. Por isso, ao longo do tempo foram desenvolvidos equipamentos e técnicas de segurança capazes de diminuir os perigos e aumentar a seguridade.

A linha viva está inserida nesse contexto, como uma forma de minimizar as ameaças de choques elétricos, queimaduras e, em último caso, morte das pessoas que trabalham nessa área.

Se você ainda tem dúvidas sobre como funciona essa metodologia de proteção ou não conhece os seus benefícios, leia este artigo. Aqui você vai encontrar uma explicação didática e ainda descobrir para que serve esses modelos de equipamentos. Quer saber mais? Continue a leitura!

O que é linha viva?

A linha viva foi criada e preparada para proteger e capacitar os profissionais que trabalham em contato direto com redes energizadas. Afinal, a chance de sofrer uma descarga elétrica antes dessa técnica era grande. A prática trouxe mais segurança e suporte para eletricistas, uma vez que os equipamentos de proteção usados são reforçados e específicos.

Quais são os métodos de trabalho com linha viva?

Existem três métodos de trabalho dentro dessa aplicação. Essa separação ajuda a distribuir e relacionar melhor os equipamentos de segurança de acordo com a periculosidade da corrente elétrica. São eles!

Método ao contato

Este é exclusivo para baixas tensões. Nesta modalidade de tarefa o operador fica em contato direto com a superfície energizada. Portanto, os equipamentos de proteção recomendados são: plataformas de sustentação isoladas, vestimentas com mangas cobertas e luvas de proteção.

Método a distância

Este é um estágio de ameaça acima do anterior. As tensões aqui são um pouco mais elevadas, até 230 quilovolts, e o profissional deve manter um certo distanciamento para executar o trabalho. As ferramentas empregadas nesse caso são os bastões isolados de elevação e fixação. Assim, consegue-se manter a distância necessária para realizar o serviço.

Método ao potencial

Este é usado em altas tensões e consiste na equalização do potencial elétrico, que passa pelo corpo do eletricista por meio de um cinto e uma vestimenta especial condutora. O principal equipamento de segurança nessas situações são as vestes antichamas.

Para que serve a linha viva?

A NR 10, norma que regulamenta sobre Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, estabelece que o principal objetivo da linha viva é a ampla e irrestrita proteção dos profissionais que trabalham diretamente com eletricidade.

Além disso, a metodologia consegue subdividir o risco em três tipos para que em cada um deles sejam usados os equipamentos adequados. A linha viva ainda vai otimizar o trabalho do eletricista pela utilização das ferramentas corretas para determinado padrão de atividade.

É importante lembrar que tais ferramentas e equipamentos devem ter o selo de aprovação do INMETRO ou qualquer outro órgão fiscalizador que garanta a sua efetividade e certifique a sua qualidade. Afinal, caso dê algo errado no meio da execução de um serviço, eles são os únicos capazes de assegurar a integridade física do profissional.

Entretanto, vale ressaltar que todo e qualquer operador precisa passar por um treinamento específico para aprender e entender como lidar com as particularidades de cada ferramenta e equipamento, para que saiba utilizá-los e fazer as distinções necessárias diante das eventualidades do dia a dia.

Quais os benefícios da linha viva?

A linha viva trouxe muitas vantagens para os trabalhadores do setor de eletricidade como um todo. Eles se sentem mais protegidos e seguros usando os componentes de segurança adequados. Sem falar no treinamento e na capacitação que recebem para manusear tais equipamentos. Veja agora alguns benefícios da linha viva!

Aumento da prevenção

O primeiro efeito sentido com a prática da linha viva é a prevenção de acidentes. Ao utilizar as ferramentas e equipamentos adequados para situações específicas e predeterminadas, os profissionais conseguem prevenir em maior número os imprevistos e incidentes.

A cautela e a capacitação também colaboram para evitar ocorrências que possam trazer riscos à vida dos trabalhadores. Além dos equipamentos de segurança individuais, usa-se os de proteção coletiva, como: vara de manobra isolada, detector de ausência de tensão, cones de sinalização e escadas com isolamento.

Melhoria da execução

Com os operadores devidamente protegidos é possível verificar uma melhoria na execução do serviço. Agora eles se percebem mais seguros e aptos para realizar reparos, consertos, verificações ou ligações. O manuseio dos instrumentos passa a ser feito de maneira mais diligente e confiante, acarretando em qualidade de serviço prestado.

A linha viva deu para os eletricistas, operadores e técnicos uma gama de motivos para se sentirem mais protegidos. A separação por métodos colocou os riscos nos seus devidos padrões e deu mais flexibilidade no momento de exercer a atividade.

Redução dos riscos

O reforço da prevenção, consequentemente, diminui os riscos aos quais os trabalhadores do setor elétrico estão expostos. Assim, saber em qual método da linha viva o trabalho se encaixa garante a adesão correta às ferramentas disponíveis. É importante ter atenção a esses detalhes, porque a vestimenta usada para o método ao potencial não será eficaz quando empregada para o método contato.

Como é a manutenção da linha viva?

A manutenção da linha viva e dos equipamentos envolvidos no processo deve ser feita de maneira preventiva e regular, já que tais ferramentas não podem apresentar falhas no momento da realização da tarefa. Quanto mais revisados e aperfeiçoados eles forem, mais eficácia terão.

A conservação dos materiais de segurança é de extrema importância para os comprometidos com a diminuição sistêmica dos acidentes com profissionais de redes energizadas. Não se esqueça do ditado “prevenir é sempre melhor que remediar”!

A linha viva é uma técnica importante de segurança do trabalho, desenvolvida e implementada para proteger os profissionais do setor de energia elétrica — para diminuir ao máximo o nível de acidentes e preservar a vida desses trabalhadores. Portanto, classificar e estabelecer padrões para cada tipo de risco de serviço a ser realizado contribui para o uso adequado dos equipamentos de proteção.

Quer saber mais sobre a padronização de processos e como fazer isso? Leia o artigo que fizemos sobre o tema e acabe de uma vez com todas as suas dúvidas!

Compartilhe: