Plano de emergência contra incêndio: entenda por que ele é fundamental

Incêndios são especialmente perigosos no caso da indústria. Afinal, o fogo, em contato com combustíveis, equipamentos e resíduos industriais, pode provocar curtos-circuitos e reações em cadeia com gases explosivos, trazendo grandes danos materiais e, sem os devidos cuidados, aos colaboradores e às comunidades ao redor.

Além dos danos físicos e financeiros, há ainda prejuízos para a marca da empresa. Como já observamos em tantos exemplos emblemáticos, como o da boate Kiss, em casos de incêndios, o desespero toma conta das pessoas, aumentando o risco de pisoteamentos, quedas e outras reações decorrentes do pânico.

Em março de 2017 foi promulgada a Lei 13.425, que traz medidas de prevenção e combate ao fogo em estabelecimentos e tornou obrigatória a elaboração do plano de emergência contra incêndio. Assim, sua empresa se prepara para evitar focos de queima e, caso ocorra algum imprevisto, ter os mecanismos necessários para reduzir ou minimizar perdas. 

Quer entender qual é a importância desse plano e o que levar em consideração ao elaborar o seu? Acompanhe o que preparamos a seguir.

O que é um plano de emergência contra incêndio?

O plano de emergência contra incêndio é um documento que resulta do planejamento de medidas emergenciais a serem adotadas em casos de queima. Ele tem como objetivo:

  • disponibilizar as informações da parte operacional da empresa ou áreas de risco ao Corpo de Bombeiros e às brigadas de incêndio;
  • organizar e padronizar procedimentos de combate ao incêndio, assegurando as informações necessárias para que os colaboradores de qualquer setor possam ajudar com a segurança de todos e proteger a própria vida;
  • proteger a vida, o patrimônio e o meio ambiente, reduzindo o impacto de incêndios na comunidade que circunda a empresa e viabilizando a continuidade das operações do negócio. 

Graças a esse planejamento, a empresa define um uso mais racional dos recursos humanos e materiais em casos de emergência, evitando reações de pânico, bem como atitudes impulsivas perigosas decorrentes de crises como essas. 

A elaboração desses planos de emergência passa por uma rigorosa análise de riscos, capaz de observar, com olhar clínico, quais são as possibilidades de risco de todas as atividades que envolvem a empresa. Contar com uma equipe habilitada para esse projeto é, portanto, primordial para a segurança de seus colaboradores, do patrimônio de sua empresa, para a comunidade que a cerca e para o meio ambiente.

Como elaborar um plano de emergência contra incêndio?

Para elaborar um plano emergencial contra incêndio, você precisa fazer uma avaliação preliminar dos riscos que existem em sua empresa. É preciso identificá-los, estabelecer uma relação entre eles e colocá-los em uma planta de risco de incêndio.

Nesse plano emergencial, é necessário que você descreva detalhadamente as informações da edificação, bem como os procedimentos básicos a serem tomados em casos de emergências que envolvam fogo. Entenda, a seguir, os aspectos essenciais desse plano e como estruturá-lo junto à equipe técnica. 

Localização

Nessa seção, você deve descrever se a indústria está localizada em uma região urbana ou rural e quais são as características da vizinhança. Também é essencial informar qual é a distância entre as edificações, bem como entre a fábrica e o Corpo de Bombeiros.

Verifique, aqui, se há um Plano de Auxílio Mútuo (PAM), da Rede Integrada de Emergência (RINEM), entre outras iniciativas de união de comunidade, empresas e governo que possam auxiliar em casos de atendimento emergencial.

O Plano de Auxílio Mútuo, por exemplo, envolve o SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), Corpos de Bombeiros e Defesa Civil. Juntos, eles buscam garantir que a vizinhança esteja amparada por profissionais treinados e munidos com os equipamentos adequados para conter as chamas. Essas iniciativas reduzem o tempo de espera por socorro, ajudam a salvar o patrimônio e garantem mais diálogo entre a empresa e a comunidade que a cerca, algo essencial em situações de crises.

Ocupação

Aqui, você descreverá quais são as atividades da sua empresa. Inclua não só as atividades principais, mas também as secundárias.

População

Descreva quais são as características das pessoas que trabalham em sua empresa e das que a cercam.

Característica de funcionamento

Escreva quais são os horários e turnos de trabalho. Explique também como opera a empresa nos dias e horários fora do expediente.

Riscos específicos inerentes à atividade

Com os técnicos especializados, verifique quais são os riscos inerentes às suas atividades. Não se limite às suas atividades principais. Afinal, até mesmo nos galpões de armazenamento de produtos de limpeza, existem alguns materiais que, em contato com as chamas, resultam em reações adversas.

Pessoas portadoras de deficiências

Quantos colaboradores têm deficiências? Eles têm o acesso necessário para pedir auxílio ou fugir em casos de emergências? É necessário identificar essas informações.

Materiais existentes

Faça um levantamento dos extintores de incêndio, EPIs, sinalização, da iluminação de emergência, hidrantes, saídas de emergência, chuveiros automáticos, entre outros. 

É importante que esses equipamentos sejam constantemente avaliados e recebam manutenção, de modo que o pleno funcionamento deles seja garantido em casos de emergência. Acredite: em casos de chama, segundos podem fazer toda a diferença para a segurança de seus colaboradores e de seu patrimônio.

Recursos humanos

Sua empresa conta com o apoio de brigadas de incêndio ou bombeiros profissionais civis? Liste os contatos e assegure-se de que seus colaboradores saibam como acioná-los.

Como implantar um plano emergencial contra incêndio?

Como você pode perceber, um plano de emergência contra incêndio envolve muitas informações e treinamento. Então, como garantir que todos os colaboradores saibam como agir em casos de emergência? Descubra a seguir.

Assegure a acessibilidade do plano

Mesmo que pareça demasiadamente técnico, o plano emergencial contra incêndio precisa ser divulgado entre seus colaboradores. É isto que garante a todos o conhecimento dos procedimentos operacionais padrão, permitindo que saibam como agir caso aconteça algum incidente.

Não basta entregar o documento aos seus colaboradores e aos ocupantes do edifício. É preciso elaborar materiais e conteúdos acessíveis, como panfletos, palestras, cartazes em jornais-murais e vídeos. 

O plano de emergência contra incêndio deve ser abordado em treinamentos de formação, nos periódicos e nas reuniões de membros de grupos de apoio. 

Considere ainda onde colocar uma cópia do plano de emergência, de modo que ele possa ser facilmente encontrado em caso de incidente. Observe também se a representação gráfica do plano corresponde às adotadas em saídas de emergência e rotas de fuga. Quando se trata de informações essenciais para proteger a vida, a acessibilidade deve ser uma prioridade.

Faça exercícios simulados

Para garantir que seus colaboradores saibam quais procedimentos devem ser adotados, a equipe contratada para a elaboração do plano de incêndio, junto a profissionais treinados, deve estabelecer exercícios simulados de abandono de área. O período máximo é de seis meses para simulados parciais e 12 meses para os completos. 

Como foi possível concluir, a elaboração de um plano de emergência contra incêndio envolve muito apuro técnico, o que torna essencial o acompanhamento de profissionais habilitados, que conheçam a legislação, façam uma excelente análise de riscos e estabeleçam os melhores procedimentos de redução de impactos.

Já que estamos falando em segurança, que tal assegurar a manutenção predial de sua empresa? Saiba, aqui, qual é a importância desse tipo de serviço e como contratar.

Compartilhe: