A biossegurança está em alta. Entenda os motivos!

Muito por conta da pandemia da Covid-19, alguns assuntos têm ganhado cada vez mais notoriedade nos debates em diferentes esferas da nossa sociedade. Um desses tópicos é a necessidade de equipamentos de proteção dos profissionais de saúde, mais conhecidos como EPIs (Equipamentos de Proteção Individual). Mas o que esse assunto tem a ver com a biossegurança?

Tudo, afinal, garantir que os ambientes voltados para a prática da saúde estejam seguros se tornou uma prioridade ainda maior. Mas esse é um conceito muito mais amplo do que aventais, luvas descartáveis, máscaras e capacetes. É preciso adotar uma série de procedimentos e protocolos para assegurar que o local esteja o mais adequado possível para receber pacientes, profissionais da saúde e quem mais frequentar esses espaços.

Apesar do maior contato e preocupação com o termo, nem todos os profissionais que trabalham na área estão familiarizados com o conceito. Mas são as práticas necessárias para garantir que o ambiente de um hospital, clínica ou consultório, por exemplo, seja o ideal para a realização de um trabalho seguro. São cuidados que vão desde o descarte adequado de uma seringa até o controle de acesso.

Mas, então, como reforçar a limpeza e segurança no ambiente voltado para as práticas da saúde? O que acha de entender um pouco mais sobre o conceito de biossegurança, os seus principais protocolos, a sua importância e, até mesmo, como colocá-la em prática na sua companhia?

Preparamos este artigo completo sobre o assunto para que você esclareça todas essas dúvidas. Continue a leitura e confira!

O que é biossegurança?

Apesar de necessário para o funcionamento adequado de qualquer ambiente dedicados à área da saúde, nem todos os profissionais conhecem o termo em sua essência. Na prática, a biossegurança representa um conjunto de regras, normas e procedimentos que precisam ser implementados para garantir uma maior proteção a quem trabalha no local, aos pacientes e ao meio ambiente.

De acordo com a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), biossegurança é a “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”. Ou seja, garantir a desinfecção e a esterilização adequada desses espaços.

O conceito também se estende, por exemplo, aos cuidados durante a manipulação de biotecnologias — muito comum para realizar pesquisas —, evitando que um erro no laboratório se torne um problema maior. A partir das recomendações e regras definidas, a tendência é que os profissionais envolvidos possam se concentrar apenas em realizar as suas respectivas funções.

Atividades mais simples, como a manipulação de uma amostra de sangue, podem resultar em problemas sérios aos colaborador envolvido, caso os protocolos de biossegurança não sejam implementados, por exemplo. Os profissionais que estão na linha de frente no combate à Covid-19 são outro exemplo de cuidados que devem ser adotados para evitar uma transmissão ainda maior do vírus.

Além do que acontece com quem está no ambiente dedicado à saúde, a biossegurança também se refere aos cuidados com os impactos no exterior. Os stakeholders também são atingidos pelas políticas de biossegurança implementadas por uma organização. O descarte inadequado de produtos e materiais de um hospital, por exemplo, pode resultar na poluição e contaminação de outras áreas de uma cidade.

Um exemplo real de falha na implementação das recomendações de biossegurança no Brasil aconteceu no final da década de 1980. Em Goiânia, aparelhos utilizados para a radioterapia foram encontrados por catadores de um ferro-velho em uma clínica abandonada. O instrumento continha o césio-137 e resultou na contaminação de parte da população na região, com mais de mil pessoas afetadas e quatro mortes.

De acordo com a escala internacional de acidentes nucleares, criada pela International Atomic Energy Agency (IAEA), o acidente radioativo em Goiânia atingiu a escala 5, o que significa um “acidente com risco fora da localização”. A tragédia apenas reforça a importância de tomar os cuidados necessários nas mais diferentes etapas de descarte e manipulação nos ambientes dedicados à área da saúde.

Qual a sua importância?

Mas por que é tão importante adotar as principais práticas de segurança nesses ambientes? Algumas razões se destacam. Veja!

Redução dos riscos à saúde dos trabalhadores

A principal vantagem de adotar as práticas de biossegurança é, sem dúvidas, a redução da exposição aos riscos que aquele ambiente oferece ao profissional. Isso implica diretamente em um aumento significativo da sua produtividade e desempenho.

Minimização de acidentes em laboratórios

Por mais controlados que sejam, ambientes como laboratórios podem ser extremamente sensíveis a uma simples falha, e um acidente pode ser altamente prejudicial ao meio ambiente e à população local. Com as práticas de biossegurança adotadas, é possível reduzir consideravelmente as chances de sinistros em laboratórios, hospitais e, até mesmo, na indústria.

Preservação do meio ambiente e da sociedade

As medidas de biossegurança não afetam apenas quem trabalha diretamente no local, mas também, o meio ambiente e a sociedade como um todo, especialmente, ao redor do espaço. Dessa forma, é preciso garantir que o ambiente seja o mais adequado possível para que o foco seja exclusivamente no trabalho principal, evitando ao máximo os riscos e acidentes possam afetar o exterior da sua companhia.

Todos os segmentos precisam tomar cuidados com a biossegurança?

Quando se fala nesse conceito, porém, muitas pessoas ainda acreditam que essas práticas são restritas aos ambientes dedicados à saúde. Mas essa é uma ideia equivocada, já que todos os segmentos precisam tomar os cuidados com a biossegurança. Uma empresa que produz itens de limpeza, por exemplo, pode contaminar as águas de uma cidade com o descarte equivocado dos resíduos.

Como falamos acima, o exemplo do césio-137, em Goiânia, mostra que os cuidados não devem ser restritos a nenhum segmento. Afinal, os procedimentos e as práticas de biossegurança não buscam garantir apenas a segurança no ambiente específico em que uma atividade é realizada, mas sim, toda a população e o ambiente ao seu entorno.

Além disso, biossegurança também se refere aos cuidados que os profissionais devem tomar em suas funções. Quando o tema é segurança do trabalho, a biossegurança está completamente relacionada. Garantir que a utilização dos EPIs seja feita corretamente é apenas um exemplo de como esse conceito deve estar presente nos mais diferentes segmentos.

Mesmo que não faça manuseio de substâncias e produtos químicos, uma farmácia tem a responsabilidade de garantir a segurança desses itens, por exemplo. A implementação dos protocolos de biossegurança, portanto, devem ser utilizados em diferentes áreas e propósitos, mas os cuidados devem ser redobrados quando o assunto são ambientes dedicados à saúde, como nos casos de:

  • hospitais;
  • laboratórios;
  • universidades;
  • Unidades Básicas de Saúde;
  • hemocentros;
  • indústrias.

Independentemente da atividade realizada no local, a biossegurança pode ter o seu valor. Como o objetivo é sempre encontrar riscos, identificar ameaças em potencial e garantir maior segurança para todos os profissionais que frequentam o ambiente, essa deve ser uma prioridade dentro de qualquer organização, garantindo que o impacto das suas atividades seja o menor possível para todos os seus stakeholders.

Quais são os principais protocolos?

Mas quais são os protocolos mais básicos e importantes quando o assunto é biossegurança? Em geral, cada ambiente tem as suas particularidades, mas existem algumas recomendações presentes para os mais diversos segmentos. Confira as principais delas!

Higienização das mãos

A limpeza constante das mãos já era uma hábito necessário dentro de hospitais, laboratórios e outros espaços dedicados à saúde. Com a pandemia da Covid-19, essa necessidade se tornou ainda mais importante. É preciso garantir, portanto, que os profissionais no espaço tenham sempre os recursos necessários para garantir a higienização constante antes e depois de cada manipulação ou descarte.

Com o uso do álcool em gel, também é importante assegurar que os profissionais naquele ambiente tenham acesso ao produto. Posicionar os dispensers em locais estratégicos é apenas um exemplo da aplicação eficiente dos protocolos e normas de biossegurança. Em uma indústria, em que esse hábito pode não ser tão comum quanto em um hospital, por exemplo, é ainda mais importante criar essa cultura.

Uso adequado de EPIs

Outro ponto fundamental dentro da biossegurança é o uso dos EPIs por parte dos profissionais que frequentam aquele ambiente. Óculos, luvas, máscaras, jaleco e, até mesmo, os tipos de sapato.

Todos esses detalhes devem ser avaliados para definir quais são os materiais e itens adequados para cada local. Um colaborador que lida com equipamentos de raio-X, por exemplo, precisa de EPIs específicos para a sua função.

Essa parte é fundamental, porque é o primeiro método de proteção dos profissionais que estão naquele local. O uso de luvas em um laboratório de manipulação, por exemplo, vai garantir que um vazamento ou contato de um produto mais tóxico com a pele não cause danos mais graves. Os EPIs são parte essencial de um projeto de prevenção e redução de riscos.

Aplicação de técnicas de higienização e esterilização

Os processos e técnicas de higienização e esterilização também são fundamentais para a implementação da biossegurança. Afinal, cada ambiente tem as suas características e muitos deles podem exigir cuidados específicos. A frequência da limpeza dos materiais ou, até mesmo, as ferramentas e produtos utilizados para limpar determinado local podem variar.

Durante a criação de um protocolo de biossegurança, é preciso avaliar quais são as necessidades e características do ambiente em questão para, dessa forma, criar um espaço seguro para todos.

Controle de acesso

Não importa se estamos falando de um laboratório de manipulação ou um hospital, o controle de acesso também é uma questão de biossegurança. Com um alto número de produtos químicos em um local, é fundamental que apenas profissionais autorizados possam acessá-lo. Isso evita que erros aconteçam e diminui consideravelmente as chances de falhas na segurança.

Em um hospital, o controle de acesso pode ser importante para distanciar pessoas que estão mais sensíveis ou como uma doença transmissível. No caso da Covid-19, esse é um exemplo que ilustra bem a situação. Mas o controle de acesso deve ser ainda mais amplo, garantindo que em cada etapa de manuseio — da manipulação ao descarte —, apenas profissionais autorizados acessem os produtos e materiais.

Presença de EPCs

Além dos cuidados individuais com os EPIs, é preciso garantir que o coletivo também esteja seguro no ambiente. Dessa forma, os EPCs (Equipamentos de Proteção Coletiva) são fundamentais para a implementação de processos e protocolos de biossegurança. Recursos como um kit de primeiros-socorros e, até mesmo, detectores de fumaça e sprinklers são os exemplos mais comuns.

Mas os EPCs também variam de acordo com as características do ambiente em questão. Uma capela química, por exemplo, é essencial dentro de um laboratório para garantir que o manuseio dos produtos químicos não resulte na contaminação do espaço ou que o profissional inale a substância. Na indústria, a instalação de exaustores e sistemas de ventilação pode ser necessária em espaços fechados.

Como implementar um protocolo de biossegurança?

Mas se a biossegurança é tão importante, o que deve ser feito para garantir a implementação adequada de um protocolo? É preciso lembrar que cada empresa e segmento têm as suas particularidades e características, mas algumas etapas são fundamentais, independentemente da área de atuação. Confira!

Mapeie os riscos e ameaças

A primeira etapa para a implementação de um protocolo de biossegurança é o mapeamento de riscos e ameaças no ambiente de trabalho. Para isso, é preciso fazer uma análise geral de todas as etapas e processos da sua companhia. A ideia é visualizar cada um dos mínimos detalhes que podem passar despercebidos e, assim, definir as estratégias mais adequadas.

Crie ações de prevenção

Independentemente do segmento de atuação, acidentes podem acontecer. O mais importante, porém, é garantir que a chance de que um problema aconteça seja a menor possível. Sendo assim, após a identificação dos riscos e potenciais ameaças ao funcionamento da sua organização, é preciso definir um plano de ações para mitigar todos esses riscos.

Monte uma comissão específica

É importante que a sua empresa defina uma comissão específica para tratar dos protocolos de biossegurança. Afinal, esse é um trabalho que deve ser constante e não pode nunca ficar desatualizado.

Sendo assim, é preciso contar com profissionais capacitados no assunto e que se dediquem integralmente ao tema. Outra opção é terceirizar o serviço para garantir que todos esses itens sejam adotados, mas vamos abordar esse tópico na sequência do artigo.

Siga as recomendações e regulamentações

Por mais que cada segmento e empresa tenha as suas particularidades, é fundamental seguir as orientações e regras estipuladas pela Anvisa. Esse já é um passo inicial para assegurar que toda a organização esteja mais protegida, assim como os profissionais e demais stakeholders.

Monitore constantemente

A implementação de um protocolo de biossegurança não tem uma etapa final. Esse é um processo que deve sempre estar em observação e, por isso, o trabalho de monitoramento é essencial. Mesmo que as coisas estejam funcionando bem, e que nenhum acidente aconteça em meses, os níveis de atenção, rigorosidade e fiscalização das práticas de biossegurança não podem ser deixados de lado.

Quais empresas podem ajudar nesse processo?

Apesar de muito importante, não é fácil implementar um protocolo de biossegurança dentro de uma organização. São muitos os fatores envolvidos e os pontos de atenção exigem um alto nível de cuidado e cautela. A boa notícia é que existem empresas especializadas no assunto e podem contribuir com a oferta de serviços, ferramentas e, até mesmo, expertise sobre o assunto.

O ideal é procurar por prestadoras de serviço que tenham experiência no ramo e sigam todas as conformidades e exigências da Anvisa. Dessa forma, é preciso pesquisar o máximo de detalhes sobre as certificações que a empresa possui. Essa é a melhor maneira de garantir a qualidade dos procedimentos e a certeza de que ela conta com profissionais capacitados para realizar tarefas tão exigentes.

Por que contar com uma empresa especializada?

Uma dúvida muito comum quando o assunto é biossegurança é entre contratar ou terceirizar uma equipe específica para esse trabalho. Afinal, é um conceito que exige bastante cautela e cuidado em todas as etapas. Essa tarefa se inicia no planejamento e identificação de falhas e possíveis ameaças e vai até a fiscalização rigorosa de todas as práticas implementadas.

Nem sempre, portanto, é possível realizar essas tarefas internamente. Para quem busca otimizar a gestão e os processos do dia a dia, por exemplo, adicionar mais — e exigentes — funções dos seus colaboradores pode resultar em problemas em longo prazo. Primeiro, nem todos os profissionais conhecem a fundo o conceito e a regulamentação envolvida na questão da biossegurança.

Ou seja, falhas são mais fáceis de acontecer, assim como erros que passam despercebidos pelo processo de fiscalização. Além disso, adicionar outro tipo de preocupação para a sua equipe pode resultar em uma queda de produtividade, por exemplo. O caminho mais adequado, portanto, é otimizar os serviços que não são a especialidade do seu time de profissionais.

Especialmente quando se trata de um tema tão delicado, esse cuidado pode ser fundamental para o sucesso em longo prazo. A transferência de riscos, como os já citados acima, deve ser uma alternativa considerada. Além de representar uma maior eficiência na execução do trabalho, também é uma forma de garantir que cada profissional seja cobrado de acordo com as suas capacidades.

Afinal, como exigir que um profissional que nunca lidou com o assunto passe, de uma hora para outra, a ser responsável pela identificação de riscos dentro do ambiente de trabalho? Esse é só um exemplo de uma tarefa específica que deve ser executada por profissionais que realmente entendem do assunto. A sua organização passa a contar com uma equipe especializada no assunto.

Para você não ter dúvidas, separamos alguns pontos que justificam o auxílio de uma empresa especializada para a implementação das melhores práticas de biossegurança dentro da sua companhia. Confira!

Aplicação das regulamentações exigidas

Como mostramos ao longo deste artigo, é preciso seguir uma série de recomendações e práticas para seguir as diretrizes impostas pela Anvisa. Ao contratar um serviço específico para cuidar das questões de biossegurança na sua organização, você se certifica de que todos esses processos sejam adotados e aplicados no dia a dia de limpeza e esterilização dos materiais e espaços.

Outro ponto positivo é que os profissionais da prestadora de serviço passam por treinamentos constantes para o aprimoramento e desenvolvimento de novas técnicas e abordagens para criar um ambiente mais seguro. Em vez de perder tempo com a gestão da sua equipe, a sua empresa passa a contar com um time completo e especializado no assunto.

Expertise e ferramentas adequadas

Além de seguir todas as normas, é preciso utilizar os processos e ferramentas adequadas para realizar a limpeza e garantir a segurança nos espaços. A empresa terceirizada vai traçar todo o planejamento estratégico necessário para assegurar que nada seja feito de forma errada, do uso dos materiais certos em cada superfície a ser esterilizada até o uso dos EPIs.

Redução de custos

Já pensou se a sua empresa precisasse comprar ferramentas para o uso específico de esterilização de um material, por exemplo? Qual seria o impacto no seu orçamento? A partir do momento que você terceiriza o serviço, todas essas preocupações passam para a parceira. Além disso, não é preciso fazer a contratação de uma equipe completa, já que o staff de colaboradores ficar totalmente à sua disposição, o que gera uma redução de custos.

Para quem deseja otimizar o trabalho de gestão, a terceirização pode facilitar muito. Não é preciso se preocupar, por exemplo, com a ausência de um profissional ou colaborador, já que a prestadora de serviço precisa cumprir o que está acordado no contrato. São situações como essa que facilitam a rotina de trabalho e ainda impactam a performance financeira da companhia.

Seja para criar um ambiente mais seguro para todos os profissionais envolvidos, seja para otimizar a gestão de riscos na sua companhia, investir em práticas de biossegurança é essencial nos dias de hoje. Mais do que tudo, trata-se de um compromisso da sua organização com seus stakeholders, garantindo que o foco na sua companhia seja apenas na realização dos seus serviços com ainda mais qualidade.

Agora que você já sabe o que é biossegurança e como esse é um conceito importante de ser aplicado, o que acha de dar o próximo passo? Afinal, nem sempre é possível fazer essa gestão internamente, não é mesmo? Então, entre em contato conosco, conheça mais sobre os nossos serviços e garanta um ambiente ainda mais seguro para todas as partes envolvidas no dia a dia da sua organização!

Compartilhe: