Limpeza hospitalar: o que mudou no período pós-pandemia?

A limpeza hospitalar, mais adequadamente referida como higienização hospitalar, é a principal garantia contra os riscos de contágio por microrganismos patológicos que constantemente adentram as instituições. Pacientes infectados que vão em busca de tratamento são, ao mesmo tempo, os vetores e as pessoas mais suscetíveis, uma vez que já estão debilitados.

Os diferentes colaboradores, assim como os visitantes, também colocam-se em condições de risco. Com a Covid-19, os cuidados de higienização exigidos tornaram-se ainda maiores e deixaram uma herança para os tempos pós-pandemia.

Continue a leitura e descubra o que mudou no período pós-pandemia com relação à higienização hospitalar!

Qual a importância dos trabalhos de higienização hospitalar?

A natureza dos trabalhos desenvolvidos em um ambiente hospitalar traz maiores possibilidades de riscos de contaminação. Nesse sentido, colaboradores, pacientes e visitantes estariam mais suscetíveis, uma vez que os ambientes e suas instalações — por exemplo, rouparia hospitalar — poderiam sempre se contaminar.

Ao mesmo tempo, a higienização hospitalar constitui uma das atividades normatizadas, entre outras, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Por essa razão, existem diversos aspectos pertinentes à legislação que devem ser levados em consideração e realizados adequadamente.

Com a ocorrência da pandemia de Covid-19, os cuidados com a proteção epidemiológica das pessoas e com a desinfecção dos ambientes, equipamentos e objetos tornaram-se muito mais necessários e intensos. Na verdade, a própria população em geral passou a olhar mais para os aspectos pertinentes às medidas para evitar contágios.

O que mudou na higienização hospitalar pós-pandemia?

De modo geral, ocorreu uma intensificação nos cuidados requeridos durante a realização das atividades de higienização hospitalar pós-pandemia. Ao mesmo tempo, a maior preocupação com detalhes e precisão fez com que surgissem novos procedimentos incorporados às rotinas antes existentes.

Assim, por exemplo, pode-se fazer referência à constante desinfecção de objetos e estruturas nos quais diferentes pessoas tocam, pegam ou colocam as mãos. O mesmo se pode dizer para os cuidados pessoais dos colaboradores envolvidos, em especial com a hotelaria hospitalar.

A seguir, veja as principais mudanças ocorridas!

Higienização de interruptores e maçanetas

O cuidado com a higienização de interruptores, maçanetas e corrimãos de escadas, entre outros, ressalta a preocupação com a necessidade de se proceder a desinfecções constantes desses componentes. Assim, foram adotadas medidas que visam evitar a contaminação mais comumente facilitada pelo uso das mãos.

Desinfecção de superfícies

Da mesma forma, a desinfecção de superfícies, além de promover a higienização tradicional, se intensifica para garantir proteção contra possíveis microrganismos depositados pelo ar. Esse cuidado se estende e aumenta ainda mais com relação à higienização dos objetos colocados sobre superfícies de uso comum, como balcões e mesas.

Cronograma de higienização mais eficiente

Um resultado da pandemia que trouxe maior visibilidade das mudanças ocorridas é a elaboração e condução de um cronograma de higienização mais eficiente. A periodicidade adotada fez aumentar a frequência com que os trabalhos são realizados, ao mesmo tempo em que a prioridade dada às áreas mais críticas acentuou a atenção dispensada.

Gerenciamento de resíduos

Os processos envolvidos com o gerenciamento dos resíduos gerados em uma unidade hospitalar já são normatizados há mais de 20 anos. No entanto, os cuidados pós-pandemia fizeram com que a segregação e a disposição dos resíduos para a coleta se tornassem procedimentos ainda mais cuidadosos, aumentando a segurança sanitária.

Mudança na escolha dos produtos de limpeza

A ANVISA normatiza a utilização de produtos saneantes utilizados, principalmente para higienização de pisos, ambientes sanitários e superfícies em geral. Durante a pandemia, emitiu a Nota Técnica Nº 26/2020 — SEI/COSAN/GHCOS/DIRE3/ANVISA, de 23 de abril de 2020, relacionando, entre outras, as principais substâncias ativas para higienização.

Contratação de profissionais especializados

A necessidade de se adotar medidas mais precisas e tecnicamente mais indicadas, assim como obter soluções para as novas questões que surgiam, fez com que a demanda pela contratação de profissionais especializados aumentasse. A própria gestão dos trabalhos de hotelaria hospitalar foi aprimorada pela necessidade de maior profissionalização das equipes.

Qual a nova realidade da Verzani & Sandrini?

Uma empresa como a Verzani & Sandrini, com mais de 54 anos de atuação e com a experiência que acumulou, sabe identificar a dinâmica que os novos tempos trazem e, assim, sempre se renova. Como resultado, é capaz de implementar novos valores que a aproximam de seus clientes e seus colaboradores.

A Verzani & Sandrini percebeu como a pandemia evidenciou a importância das relações humanas e fez com que estivessem no centro das atividades que desenvolve, assim como no seu próprio dia a dia. Diante dessa constatação, decidiu que era chegada a hora de incorporar e consolidar essa nova realidade aos processos do trabalho que promove.

O período de pandemia de fato mostrou como as relações humanas são importantes e precisam ser valorizadas. Por essa razão, a nova realidade que se consolida é constituída pelo reposicionamento da marca Verzani & Sandrini.

Nesse sentido, foco em humanização e inovação selam seu compromisso com desenvolvimento sustentável e serviços de qualidade. Para a Verzani & Sandrini, a humanização é a chave do processo, por isso ela investiu ainda mais em recursos humanos e tecnológicos, angariando a confiança dos clientes e a dedicação dos colaboradores.

O futuro da higienização hospitalar

Como legado da pandemia de Covid-19, o futuro dos trabalhos de higienização em ambiente hospitalar deverá consolidar protocolos mais rígidos, porém com paradigma na pessoa. Dessa forma, estará cada vez mais direcionado aos cuidados voltados para a saúde, a segurança e o bem-estar das pessoas.

Trata-se de incorporar o processo de humanização adotado pela Verzani & Sandrini, em especial no trato com aqueles que laboram nas unidades hospitalares, os que visitam o hospital e, sobretudo, aqueles que necessitam internar-se para tratamento e, por isso, são mais suscetíveis.

Como você pode ver, a limpeza hospitalar, mais precisamente a higienização, constitui atividade essencial para a saúde e segurança e recebeu um impacto considerável da pandemia, tornando-se mais intensa e sinalizando a importância da humanização como paradigma principal do trabalho especializado na prestação de serviços.

Entre em contato conosco e descubra quanto a Verzani & Sandrini pode fazer para o aprimoramento de sua gestão de hotelaria hospitalar!

Treinamento de funcionários terceirizados: entenda as responsabilidades de cada parte
Compartilhe:
chat on-line
Olá, tudo bem?

Como posso te ajudar?

chat on-line
pt_BRPortuguese