Como definir um protocolo de limpeza para condomínios residenciais? Veja!

A administração de um condomínio e a segurança dos moradores são algumas das muitas responsabilidades de um sindico. Adotar um protocolo de limpeza eficaz está entre as suas atribuições, principalmente, desde que começamos a viver um período pandêmico de ordem sanitária.

Portanto, para que esse dever seja cumprido da melhor forma possível, é importante se manter atualizado sobre como definir um protocolo de limpeza seguro para condomínios residenciais. É exatamente nisso que queremos ajudar você!

Vamos lá? Fique atento e aproveite a leitura!

O que são protocolos de limpeza?

Um protocolo de limpeza é um conjunto de procedimentos que tem por objetivo a higienização de áreas gerais ou específicas. Sua finalidade é tanto remover sujidades visíveis quanto garantir a desinfecção dos locais contra populações de micróbios que causam a contaminação do ambiente.

Isso ajuda a evitar a proliferação de doenças, além de tornar os espaços mais agradáveis e até bonitos aos olhos. Isso é fundamental para áreas com uma grande circulação de pessoas, como é o caso dos condomínios residenciais, que recebem, além dos moradores, seus visitantes, prestadores de serviço e assim por diante.

Como a pandemia trouxe um maior critério na limpeza dos condomínios?

Desde que a pandemia começou, muitos cuidados específicos passaram a ser necessários na limpeza de quaisquer ambientes. Nos condomínios, não foi diferente, já que eles contam com a circulação de um grande número de pessoas.

Assim, foi extremamente importante que os responsáveis olhassem com mais cuidado para os fatores de risco, garantindo uma desinfecção contínua, além da biossegurança dos moradores e visitantes. Desse modo, novas estratégias passaram a ser implementadas, como a distribuição de álcool em gel e, até mesmo, a intensificação da frequência do protocolo de limpeza.

Além disso, outras necessidades ganham bastante destaque. O aumento do volume de equipamentos de proteção individual, como máscaras, óculos, luvas e uniformes também precisa ser considerado. Do mesmo modo, cresce o consumo de materiais de limpeza, assim como os investimentos em treinamentos de desinfecção.

Como definir um protocolo de limpeza para condomínios residenciais?

Quer algumas dicas do que inserir em um protocolo de limpeza eficiente para condomínios residenciais? Então, fique de olho nas recomendações a seguir!

Defina a frequência da limpeza

A frequência da limpeza é um aspecto fundamental para garantir espaços com boa aparência e agradáveis de usufruir — além de seguros, é claro. Por isso, o intervalo entre as higienizações deve ser definido de acordo com o perfil de cada local.

Apesar de variar bastante entre os condomínios, preparamos uma sugestão:

  • limpeza diária — calçadas, pisos, aparelhos da portaria, banheiros, elevadores, escadarias, academias etc.;
  • limpeza semanal — quadras esportivas, playgrounds, churrasqueiras, móveis de áreas comuns, espelhos;
  • limpeza quinzenal — lixeiras, janelas externas, jardins, paredes etc.;
  • limpeza mensal — garagens, grades e escadas de emergência.

É claro que, dependendo do fluxo de pessoas existente no condomínio, é preciso aumentar essa frequência. Além disso, durante a pandemia, é importante que os locais com maior circulação de pessoas tenham a limpeza redobrada, em especial, botões, maçanetas, corrimões, portas e superfícies encostadas por várias pessoas.

Escolha os materiais que serão utilizados

Os materiais utilizados podem variar de equipe para equipe, mas existe uma relação deles que costuma ser comum entre quase todas. Portanto, em tempos de coronavírus, os principais produtos recomendados para a desinfecção de ambientes são:

  • álcool 70% — tem ação rápida, não deixa manchas nem resíduos, e também não é corrosivo, além de desinfetar pequenos objetos e superfícies;
  • hipoclorito de sódio — semelhante à água sanitária, é corrosivo, por isso, deve ser manuseado com precaução, podendo ser aplicado em superfícies não metálicas;
  • quaternários de amônio — eliminam bactérias altamente contaminantes, devem ser manuseados com cuidado;
  • detergente — usado na limpeza geral, principalmente, de pias e utensílios de cozinha;
  • sabão — podendo ser usado em barra ou em pó, é essencial para a limpeza de sujeiras aparentes;
  • água sanitária — indispensável para a limpeza profunda de pisos, elevadores e banheiros.

Estipule os tipos de limpeza necessários

Em um cronograma de limpeza, diferentes tipos de higienização se fazem necessários para ambientes e riscos diversos. Portanto, é preciso conhecer cada um deles e definir quais são importantes para cada um dos espaços.

Entre os principais deles, estão:

  • limpeza geral: é a higienização completa dos ambientes, aplicada, principalmente, em áreas com grande circulação de pessoas;
  • limpeza de conservação: serve para manter o ambiente cheiroso e com boa aparência, por isso, precisa ser ajustada à demanda do condomínio;
  • limpeza de manutenção: é aquela que previne situações desagradáveis para os moradores, como o fornecimento de água suja para os apartamentos.

Descreva as preparações para a limpeza

Um síndico também pode definir algumas regras para a preparação e execução do desenvolvimento da limpeza. Assim, a equipe saberá exatamente o que é esperado dela, o que facilitará o processo para os profissionais e aumentará a satisfação dos moradores.

Uma dica que pode ser valiosa, nesse sentido, é apresentar uma espécie de checklist para a limpeza. Assim, todos os afazeres constarão ali, o que permite ao zelador fazer exigências a partir das demandas, e que os funcionários se baseiem nela para entregar o serviço.

Determine o uso de EPIs

O uso de luvas, botas, óculos e máscaras é essencial nas rotinas de limpeza. Isso porque os profissionais entram em contato com produtos fortes, que podem ser corrosivos e até intoxicantes, dependendo do caso. Então, é muito importante que o uso desses equipamentos seja fiscalizado.

Além disso, os ambientes que precisam ser higienizados são potencialmente contaminantes, tanto no que diz respeito ao vírus quanto às próprias bactérias e outros microrganismos que se proliferam nas superfícies. Portanto, os EPIs são obrigatórios e é seu dever ficar de olho para fornecer e cobrar o seu uso.

Como é possível garantir a aplicação do protocolo de limpeza no condomínio?

Uma ótima alternativa para se certificar de que o protocolo de limpeza do condomínio será executado é contratar profissionais altamente qualificados na sua área de atuação. Isso contribui não só para a melhor higienização, como também, para a correta gestão de materiais e para a garantia da segurança de todos.

Contratar mão de obra terceirizada para isso é uma estratégia inteligente e que pode ajudar a melhorar a performance nesse sentido. Equipes terceirizadas são constantemente treinadas e atualizadas sobre boas práticas e tendências em higienização, especialmente, no que diz respeito à pandemia.

Além disso, a própria empresa terceirizada se responsabiliza pela maior parte do serviço, restando a você fazer apenas o monitoramento e o repasse de exigências dos moradores. Com isso, você fica com tempo livre para se dedicar a outras atividades que fazem toda a diferença na qualidade da gestão do condomínio, sem abrir mão da qualidade do serviço.

Agora, se você gostou da ideia de instituir um protocolo de limpeza seguro para garantir a segurança dos moradores e, para isso, quer contar com uma equipe qualificada, entre em contato conosco!

Treinamento de funcionários terceirizados: entenda as responsabilidades de cada parte
Compartilhe:
chat on-line
Olá, tudo bem?

Como posso te ajudar?

chat on-line
pt_BRPortuguese